segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Poema dedicado ao Porco Inácio...

Depois do episódio da pirataria ontem brindou-nos, em direto, com o seguinte verso:

"Neste momento a águia voa tão baixinho que até o gato mia/ela volta para o ninho e de nada comer até fica com azia"

Segue a minha resposta "lírica":

És um pirata chico-esperto,
sem coluna vertebral
bastou o JJ chegar
para abrires o esfíncter anal.

De dama de honor a paineleiro,
num instante passaste,
agora gritas pró mundo Inteiro
A azia com que ficaste

És como uma p*** vadia,
à procura de uns tostões,
Seja de azul ou verde,
Vale tudo contra os Campeões.

111 anos de história,
Com muitos títulos para contar,
Se a águia voa baixinho,
O dragarto nem chega a descolar.

3 comentários:

  1. Na ultima quadra, eu sugiro:

    O lagarto nunca deixa de rastejar

    ......... mas o poema está bem esgalhado.

    ResponderEliminar